Skip to content

Histórico Do Projeto

O QUE É O BLINDJ

O BlinDJ é um complemento (add-on) para o leitor de telas NVDA, que permite que o deficiente visual utilize com autonomia o software de discotecagem Virtual DJ em sua versão 7.

Logotipo do Software BlinDj.

Através de uma série de combinações de teclas, o usuário será capaz de carregar músicas para os decks virtuais, navegando por pastas e subpastas; poderá carregar novos samples para a sessão de sampler do software; poderá acionar os efeitos e indicar para qual deck eles serão aplicados; conseguirá gravar suas mixagens, gravar CDs e muito mais.

Visite a sessão Tutorial do site para aprender detalhadamente como utilizar esta nova ferramenta de acessibilidade para a área musical, o BlinDJ.

Assista aqui o vídeo institucional do BlinDj.

Biografia Anderson Farias

Na hora certa, no local certo

Eu nunca acreditei na frase que inicia esse texto. Mas, após 15 anos buscando um espacinho no mercado da música como DJ enquanto dividia essa paixão com outras tarefas profissionais, há cinco anos, recebi um convite inusitado para dar aulas de discotecagem para outras pessoas com a mesma deficiência que a minha, a visual.

Anderson Farias atuando como DJ.

Foi em 2011 que me encontrei com a tal “na hora certa e no local certo”. Participava da seletiva de um campeonato de DJs promovida pela escola paulistana DJ Ban EMC e o diretor, o consagrado Ban Schiavon, propôs que eu poderia ensinar outros cegos a serem DJs como eu. Claro que na hora eu não coloquei fé no convite. Pensava: “porque comigo, esse DJ nem me conhece para me oferecer essa chance?”.

Foram quatro meses amadurecendo a ideia até que em março de 2012 aceitei o convite. Precisei passar por uma reciclagem já que aprendi a tocar como DJ de curioso. Frequentei um curso de DJ na própria DJ Ban já com a missão que Schiavon me deu de conseguir elaborar um método de aula para os deficientes visuais quando meu treinamento acabasse.

Senti que agora eu precisaria ir além. Para que meus pares pudessem participar das aulas, resolvi captar recursos através de leis de incentivo à cultura, uma ação que conheci na durante minha faculdade de Gestão de Eventos. Então, em 2013, foi inaugurado o primeiro curso de DJ especialmente voltado para deficientes visuais que contou com o apoio do Programa VAI (Valorização de Iniciativas Culturais) da Prefeitura de São Paulo.

E foi durante essas aulas que uma nova ideia passou pela cabeça de DJ: criar algum recurso de acessibilidade que permitisse que os cegos utilizassem os softwares de mixagem. Comecei então uma nova fase de captação de recursos e em 2015 minha ideia foi selecionada para sair do papel para o programa VAI TEC (Valorização de Iniciativas Tecnológicas), da Adesampa (Agência São Paulo de Desenvolvimento), também ligada à Prefeitura de São Paulo.
Assim começou o desenvolvimento do BlinDJ e esse site é todo dedicado a ele. Saiba mais aqui.